Olhar indígena

Expressões pejorativas integram o cotidiano

Redação NBE

Redação NBE

12/04/2023
Olhar indígena © Wilfred Paulse

4 min de leitura

A linguagem é a mais primária manifestação cultural de um povo. Neste sentido, é justo que haja uma revisão na linguagem da sociedade ocidental sobre a forma de se comunicar a respeito dos povos originários.

Expressões pejorativas que desvalorizam a cultura e os saberes indígenas são legados de uma educação eurocentrista e/ou colonizadora.

O coletivo Quadrinistas Indígenas é uma das organizações com o objetivo de demarcar os territórios das narrativas gráficas, criando histórias que falem das suas vivências como indígenas aldeados e urbanos, descolonizando pensamentos e conceitos que grande parte da população possui sobre povos originários.

Nada sobre nós, sem nós. Não precisamos e nem queremos que falem por nós e das nossas narrativas, sem nós. Queremos espaços para que nossas vozes e nossas lutas sejam escutadas. Não queremos ver esteriótipos e visões reducionistas de nossas cosmovisões desenvolvidas por não-indígenas. Queremos mais oportunidades para que indígenas em diversos territórios possam desenvolver e publicar suas histórias.

A orientação para toda a sociedade é uma maior atenção para com termos racistas e expressões depreciativas sobre os povos originários que precisam ser mudadas no vocabulário.

Mudança de linguagem

Conheça algumas expressões que devem ser abandonadas, conforme levantamento realizado pelo site Plural Curitiba:

Descobrimento do Brasil

O Brasil, evidentemente, não foi descoberto. Já havia milhões de povos nativos vivendo em terras brasileiras antes dos colonizadores chegarem. No processo colonizador, essas populações foram dizimadas, junto de suas culturas, línguas e costumes.

Por isso, falar em “descobrimento” do país, além de equivocado é fazer referência à violência extrema cometida contra os povos originários e negros do Brasil.

Índio

Apesar de ser muito utilizado atualmente, o termo “índio”, quando empregado por pessoas não-indígenas, carrega um imaginário estereotipado e perpetua ideias trazidas pela colonização.

A antropóloga Gabriela de Carvalho Freire explica que o termo é associado à chegada dos europeus no Brasil. “Eles chegaram aqui e acharam que estavam nas Índias, por isso chamavam a população originária de ‘índio’.”

Uma alternativa para o termo é utilizar a palavra “indígena”, que, segundo Gabriela, significa uma população originária, autóctone.

Moças indígenasMarcelo Camargo - Agência Brasil

Tribo

O termo “tribo”, segundo a cartilha dos Quadrinistas Indígenas, remete a uma ideia de uma população primitiva, sem organização ou capacidade. Além disso, carrega um imaginário depreciativo de estereótipos e preconceitos.

Por isso, é preferível utilizar o termo “povo” ou, para se referir a um local ou território “aldeia” ou “comunidade”.

Tupiniquim (como sinônimo de brasileiro)

Segundo o Instituto Socioambiental (ISA), o povo Tupiniquim habita três Terras Indígenas em Aracruz, no norte do Espírito Santo. Atualmente, são cerca de 2.901 indígenas Tupiniquim no Brasil.

O termo Tupiniquim, no entanto, é comumente utilizado para se referir a algo nacional, por exemplo, ao invés de “cinema brasileiro”, utiliza-se “cinema Tupiniquim”. Conforme o ISA e a cartilha do Quadrinistas Indígenas, os Tupiniquim são um povo com especificidades e algo só é Tupiniquim se for produzido por eles.

“O uso do termo Tupinikim (ou Tupiniquim) como sinônimo de ‘ser brasileiro’ acaba apagando e trazendo difamação a toda uma cultura que resiste até hoje”, pontua a ilustradora do Quadrinistas Indígenas, Raquel Teixeira.

Tabajara (como sinônimo de algo falsificado ou ruim)

O povo Tabajara vive hoje em três estados brasileiros: Piauí, Ceará e Paraíba. São cerca de 2.881 indígenas. Utilizar o nome de um povo para designar algo negativo ou de má qualidade é uma forma de discriminá-lo.

“Quando são utilizado falas/termos que associam toda uma raça a questões pejorativas e negativas, depreciando a forma de viver, apagando ou revivendo estereótipos colonialistas, podemos considerar como violências aos povos indígenas. Ao evitar o uso de tais termos, podemos respeitar diversas etnias que já sofrem com políticas públicas pouco favoráveis à perpetuação de sua cultura”, diz Raquel.

Programa de índio

Comum no cotidiano das pessoas, a expressão “programa de índio” é outra forma de associar as populações originárias a alguma atividade ou evento considerado chato, entediante.

“Essa expressão também é uma forma pejorativa de olhar para os costumes indígenas, como se fossem coisas atrasadas e não interessantes”, afirma Gabriela.

Muito cacique para pouco índio

De acordo com a antropóloga, a expressão “muito cacique para pouco índio” se relaciona com o incômodo que as sociedades não-indígenas sentem com a forma de organização política das comunidades originárias.

“Geralmente, as populações indígenas se organizam de uma forma não tão centralizada como a nossa (com um Estado e algumas figuras que concentram a representação do poder). Elas não têm isso. Há uma divisão maior de poderes dentro da sociedade indígena. Essa expressão é uma forma preconceituosa que temos quando vemos a maneira de lidar com poder de um jeito diferente”, diz Gabriela Freire

Quem fala “mim” é índio

Existe uma ideia muito difundida entre a população brasileira de que os indígenas falariam usando o pronome “mim” seguido de um verbo no infinitivo. Por exemplo: “mim fazer”, “mim não comer”. Esse imaginário, inclusive, foi bastante repercutido em produções cinematográficas e desenhos animados (tanto norte-americanas quanto brasileiras) que representavam as populações originárias.

Atribuir essa construção considerada gramaticalmente errada pela norma culta da Língua Portuguesa aos povos originários é mais uma forma de discriminá-los.

Leia também:

Compartilhe

Redação NBE

Redação NBE

Nosso Bem Estar é uma rede de mídias com o propósito de ajudar você a viver bem, de forma natural, saudável e justa.

Também pode te interessar

blog photo

Maturidade ativa foca em saúde e convivência

Programa do Sesc promove o envelhecimento ativo e saudável para 50 +, ampliando a perspectiva de longevidade

Redação NBE

Redação NBE

blog photo

Empresa gaúcha presenteia escolas com literatura

Projeto “Estante de Histórias” vai entregar livros e gibis para escolas de seis cidades afetadas pelas chuvas

Redação NBE

Redação NBE

blog photo

Escola Supera caxiense comemora 10 anos

“O método Supera é para pessoas de todas as idades que sabem que o cérebro tem um potencial imenso a ser desenvolvido”

Redação NBE

Redação NBE

simbolo Bem Estar

Receba conteúdos que te inspiram a viver bem

Assine nossa newsletter e ganhe um universo de bem-estar direto no seu e-mail