As árvores não têm culpa

Árvores são seres vivos e precisam de cuidados para continuarem a prestar seus insubstituíveis serviços ambientais e sociais

Sílvia Marcuzzo

Sílvia Marcuzzo

19/01/2024
As árvores não têm culpa Ivo Gonçalves – PM/PA

5 min de leitura

Em Porto Alegre, tem gente que não enxerga o quanto a cidade precisa de uma gestão mais eficiente para a arborização urbana.

Uma das coisas mais chatas é ouvir alguém repetindo: eu avisei, eu sabia, tinha dito. Estamos diante de um contexto em Porto Alegre, ou melhor, no Rio Grande do Sul, em que várias pessoas, inclusive eu, venho trazendo o tema da necessidade de nos prepararmos para enfrentar a crise climática.

O problema é planetário, só que há lugares no mundo em que a ocorrência de eventos extremos, como o que acabamos de passar nesta semana, serão mais intensos e frequentes. A região Sul é um desses pontos no planeta onde viver está mais emocionante. Quer dizer, perigoso. A capital do Rio Grande do Sul, além de sofrer com fortes tempestades, ciclones etc., em qualquer estação, tem apresentado temperaturas altíssimas.

Uma das consequências desse episódio mais recente na cidade foi a queda de árvores. Caíram postes, fios, muros, telhados. Milhares de pessoas sem energia, sem água, sem condições de viver com a mínima dignidade. E o velho jogo do empurra-empurra rolando. Enquanto o prefeito Sebastião Melo usa as redes sociais para se queixar da CEEE Equatorial, o processo de privatização do DMAE é defendido por ele como a solução dos problemas. Muitos trabalhadores experientes da CEEE, que sabiam como lidar em situações especiais como essa foram demitidos, se aposentaram, não estão mais no front. E no meio desse emaranhado de interesses e argumentos, quem se preocupa com as árvores, com as pessoas e com o melhor para a coletividade?

Árvore caída e quebrada no meio

Fernando Oliveira - @fernao_berthold

O que tenho visto e ouvido a respeito dos estragos é estarrecedor. Muita gente dando palpite e transformando um tema seríssimo em opção ideológica. Então, vou tentar aqui contextualizar minimamente para que você, querido leitor ou leitora, antes de emitir alguma opinião, entenda que as árvores prestam serviços ambientais para todos: pássaros, insetos, inclusive para você que me lê.

O cuidado com as árvores

É bom lembrar: as árvores são elementos da paisagem urbana e são seres vivos. Sim, vivos. Elas precisam de cuidados. E o que temos visto nas últimas duas gestões municipais foi o desmantelamento do sistema que monitorava, acompanhava e tratava desses seres vivos da cidade.

Atualmente há três instâncias que foram divididas para lidar com a arborização. A estrutura da Secretaria de Meio Ambiente, a antiga SMAM, que foi a primeira pasta municipal a tratar da política ambiental do País, foi dividida. A SMAMUS ficou com a atribuição de gerir as Unidades de Conservação, parques e praças, onde há muitas árvores, a Secretaria de Serviços Urbanos está encarregada de tratar da arborização urbana dos logradouros e a poda ficou a cargo da CEEE Equatorial, que contrata empresas terceirizadas para fazer o serviço. Foram aprovadas leis que facilitam o corte desses vegetais superiores.

O que tenho constatado é que não há uma gestão integrada. Não existe uma ação coordenada do que se deve ou não fazer com as árvores. Há uma enorme demanda pelo corte, faltam funcionários e técnicos capacitados para dar conta das solicitações. Por outro lado, creio que ninguém, nem terceirizados, retiram erva-de-passarinho e monitoram a sua condição.

Mas antes de você achar que a solução seria eliminar esses vegetais da área urbana, é essencial entender que hoje não há campanhas, dicas, informações ou mesmo ações para que os moradores ajudem a cuidar desses indivíduos. A esmagadora maioria da população mal trata as coitadas.

Boa parte das árvores está espremida em um espaço restrito no meio do cimento ou das pedras do calçamento. A SMAM já teve um expressivo grupo de técnicos que inclusive ajudou a fundar a Sociedade Brasileira de Arborização Urbana.

Também é vital considerarmos que com o calor de ‘Forno Alegre’, as árvores são elementos essenciais para regular o clima. São importantíssimas para a nossa saúde mental. E na hora de buscar um lugar para estacionar, todo mundo procura uma árvore para deixar o carro embaixo.

Visão de baixo do topo de uma árvore

Adobe Stock/NBE

Antropocentrismo

Só que nos últimos tempos, o que temos visto, como eu também já comentei aqui é que parece que os seres humanos estão cada vez mais com desprezo e “raiva” das árvores porque elas “sujam”, caem folhas. Porque as raízes, na visão dessas pessoas atrapalham… E também porque as árvores representam riscos.

E aí, nessa era antropocênica onde uma das grandes ameaças é justamente a disseminação de Fake News, mentiras que saem da boca de gente que deveria ter a mínima noção do que está dizendo, as pessoas acreditam no que elas querem. Qualquer argumento pode servir para a pessoa entender que o pessoal da esquerda defende o verde é atrasado e o de direita é progressista porque prefere o letreiro, o negócio. Isso é um enorme equívoco.

A natureza tem sido bombardeada por todos: da direita, da esquerda, do centro. Falta discernimento para compreender que as árvores são cruciais também para aumentar a retenção da água da chuva. Precisamos de mais área permeável, está mais do que na hora de melhorar e muito o sistema de drenagem urbana.

É urgente pensarmos em soluções. Instalação de fios subterrâneos, repensar que espécies devem ser mais plantadas – muito triste ver o grande número de jacarandás tombados – destinar menos espaço para a impermeabilização, ter as casas de bomba funcionando etc. Esse assunto precisa ser debatido. E não só quando boa parte do município está sofrendo os prejuízos da falta de luz.

A crise climática não é novidade e tende a se agravar. E isso não é uma conclusão minha, é de quem pesquisa, investiga os rumos do que a nossa espécie vem fazendo com ela mesma.

Se temos praças, parques, árvores hoje é porque técnicos, ambientalistas, urbanistas, gente com visão de futuro anos atrás se preocupou com isso. E hoje, qual é a preocupação dos nossos governantes? Seriam as próximas eleições? Seria retribuir o apoio recebido paga ganhar o pleito? O que é melhor para a sociedade, ter serviços eficientes que foquem primeiro no bem comum ou no lucro?

Publicado originalmente no Sler

Compartilhe

Sílvia Marcuzzo

Sílvia Marcuzzo

Sílvia Marcuzzo é jornalista, "artivista" e participa de coletivos e redes onde procura articular ações e disseminar informações sobre como a comunicação se relaciona com a sustentabilidade. Instagram @silmarcuzzo

Também pode te interessar

blog photo

A tragédia mobiliza, mas não modifica

Poderemos passar por tudo isso e continuar sendo os mesmos, voltando ao “nosso normal” ou pode haver uma grande transformação

Luis Felipe Nascimento

Luis Felipe Nascimento

blog photo

Tudo tem seu preço. Quanto maior o abuso, maior será o preço

O ambientalista José Lutzenberger alertava para as consequências da falta de escrúpulos na exploração da Natureza.

Vera Mari Damian

Vera Mari Damian

blog photo

A espiritualidade natural, a ética, o cuidado: como evitar o fim do mundo

Veja três pilares para garantir a sobrevivência planetária

Leonardo Boff

Leonardo Boff

simbolo Bem Estar

Receba conteúdos que te inspiram a viver bem

Assine nossa newsletter e ganhe um universo de bem-estar direto no seu e-mail