Precisamos falar sobre psoríase

Doença ainda é cercada de preconceitos e desconhecimentos

Redação NBE

Redação NBE

24/11/2022
Precisamos falar sobre psoríase Adobe Stock - NBE

3 min de leitura

Estimativas indicam que o índice de pessoas com psoríase pode ser de até 4% da população mundial, o que significa que milhões de pessoas sofrem com esta doença e outros milhões ignoram suas causas e tratamentos.

O Nosso Bem Estar foi ouvir a dermatologista Moira Festugato, especialista no assunto e autora de livros sobre o tema, nos quais ela se empenha em oferecer importantes informações para esclarecer a todos e para minimizar os efeitos da doença. Confira alguns tópicos:

Origem

A psoríase é uma doença autoimune e não é contagiosa. Para alguém ter psoríase é necessário ter os genes no código genético familiar, que pode estar em um ancestral longínquo e vir a se manifestar em algum momento.

Mas a psoríase também depende do fator imunológico e de fatores desencadeantes, que podem ser medicações, infecções bacterianas e virais, o álcool, o fumo, aspectos psicológicos, estresse, exposição à fumaça de cigarro, clima e traumas na pele. Muitos tipos de injúrias cutâneas podem induzir psoríase, por exemplo: picadas, queimaduras, tatuagens, escoriações, etc.

Manifestação

A psoríase apresenta lesões vermelhas, que chamamos de placas com vermelhidão, e escamas. Nesta placa acontecem os fenômenos imunológicos a cargo de células como linfócitos que formam uma rede de substâncias inflamatórias que culmina nas lesões da pele.

Se a psoríase afetar as articulações, haverá dor e inchaço. Alguns pacientes têm o hábito de remover as escamas, o que pode provocar sangramentos, já que na lesão existem pequeníssimos vasos sanguíneos que estão dilatados.

Constrangimento

A maior queixa dos pacientes é sobre o constrangimento que essa doença causa.

A psoríase afeta todos os aspectos da qualidade de vida - psicológicos, sociais, sexuais, profissionais - pois interfere na imagem do paciente, sua autoestima e seu bem-estar.

De acordo com pesquisas médicas, o que pode levar a maiores complicações cardíacas nos portadores de psoríase é a depressão. Logo, é esperado que pacientes com psoríase apresentem piores desfechos nas doenças cardiovasculares que outros pacientes que não sejam portadores desta doença.

Estudos mostraram que, entre os pacientes de psoríase, também é maior o índice de ansiedade, o abuso e dependência de álcool e drogas. Esses fatores afetam a qualidade de vida, a adesão ao tratamento e, sobretudo, o prognóstico dos pacientes com psoríase. Por isso, é importante investigá-los e, sempre que possível, encaminhá-los a tratamentos multidisciplinares.

Tratamento

Por vezes, a pessoa procura qualquer coisa para ter alívio e, infelizmente, nem sempre encontra o certo. Faz o que pessoas leigas aconselham e só piora o caso.

Existem os tratamentos medicamentosos, que o paciente aplica nas lesões, como cremes ou pomadas, e medicamentos via oral ou até injeções, conforme o tipo de psoríase.

Mas a dermatologista Moira Festugato ampliou o olhar sobre a doença. Ao longo de quatro anos pesquisou sobre os hábitos alimentares de pacientes com psoríase e chegou à conclusão de que os alimentos termogênicos pioram a doença. Entre eles estão o café preto, o chimarrão, a pimenta, o chá preto, o chocolate e todos os alimentos que contêm cafeína.

Constatou também que os pacientes consumiam muitos condimentos industrializados, alimentos com glutamato monossódico, defumados e bebida alcoólica. Todos com ações negativas para a psoríase. A pesquisa resultou no livro “Psoríase, o que não comer e o que comer”, um guia de orientações alimentares para os portadores de psoríase, que inclui orientações de nutricionista.

Em seu trabalho médico, a dermatologista vem orientando os pacientes para uma alimentação mais saudável e para mudar alguns hábitos.

“Todos nós temos uma defesa inata com a qual podemos contar, que é a Adenosina, um potente anti-inflamatório que tenta limitar o dano, não só na pele mas em todos os tecidos do corpo. Se nas lesões de psoríase este mediador estiver diminuído, haverá maior inflamação. Então é necessário que ele funcione como um agente atenuante na psoríase. Isso se consegue mantendo um bom estado de saúde, tratando e evitando tudo que é prejudicial, como infecções, obesidade, síndrome metabólica, alcoolismo, tabagismo e alimentos que atuam como transgressores no aumento do processo inflamatório”, explica a médica que é também autora do livro “A Pele de Rafael”, sobre o tema.

Compartilhe

Redação NBE

Redação NBE

Nosso Bem Estar é uma rede de mídias com o propósito de ajudar você a viver bem, de forma natural, saudável e justa.

Também pode te interessar

blog photo

10 receitas de água saborizada

Super refrescantes, deliciosas e charmosas

Redação NBE

Redação NBE

blog photo

Medicina Sem Pressa

Quando menos é mais, na promoção da saúde

Redação NBE

Redação NBE

blog photo

Saladas coloridas e refrescantes

Receitas com frutas e flores comestíveis

Redação NBE

Redação NBE

simbolo Bem Estar

Receba conteúdos que te inspiram a viver bem

Assine nossa newsletter e ganhe um universo de bem-estar direto no seu e-mail