Salvar o Pampa, Urgente!

29,5% da vegetação original desapareceram nas últimas 4 décadas

Paulo Brack

Paulo Brack

12/12/2022
Salvar o Pampa, Urgente! Paulo Brack/Divulgação

3 min de leitura

Estamos vivendo graves crises socioambientais nunca vistas. Desigualdades sociais estarrecedoras, mudanças climáticas exponenciais, perda de biodiversidade dramática, poluição crescente... Crise ou pré-colapso sistêmico?

Por outro lado, do lado oposto à degradação, há um punhado de gente resistindo e resgatando a sociobiodiversidade e os modos de vida locais., despegados do modelo econômico dominante de transformação do Planeta numa “fábrica de negócios” para poucos.

No que se refere à biodiversidade, um conjunto de especialistas (IPBES/ONU, 2019[1]) estima que 1 (um) milhão de espécies estejam em ameaça de extinção no mundo.

No Rio Grande do Sul, segundo decretos estaduais de 2014, 1.084 espécies sofrem ameaça de extinção es (804 de flora e 280 de fauna).

Neste Estado, ocorrem também os dois biomas brasileiros com maior percentual de perda de remanescentes naturais, no caso da Mata Atlântica e Pampa, onde restam, respectivamente, 12% e 43% da área original (1/4 de campos secundários ou antropizados, que tiveram sua cobertura original modificada).

silvicultura no pampa

O Pampa está restrito ao estado do Rio Grande do Sul, ocupando 194 mil km2 (IBGE, 2019), correspondendo a quase 70% do território estadual (metade sul e parte do noroeste) e 2,3% do território brasileiro.

Infelizmente, é o bioma brasileiro com menor percentual de Unidades de Conservação (3%) e o que mais perdeu, proporcionalmente, sua cobertura de vegetação nativa, entre 1985 e 2021.

Em 37 anos, perderam-se 3,4 milhões de hectares, ou seja, 29,5% de sua vegetação original, principalmente campos nativos, para dar lugar à agricultura convencional, à silvicultura com seus gigantescos desertos verdes de eucalipto ou de pinus, a mineração, entre outras atividades.

Esta conversão (perda do bioma) alcança uma média de 157 mil hectares/ano, desde 2010, atingindo o equivalente a 70 vezes a área do município de Porto Alegre (Mapbiomas, 2022)[2]. Por outro lado, a área de silvicultura no Pampa, que era de 43 mil hectares, em 1985, saltou para 745 mil hectares em 2021, representando um aumento de 1.641% em 37 anos.

A riqueza em geodiversidade e sociobiodiversidade no Pampa é bastante destacada, com dezenas de monumentos naturais, principalmente na Serra do Sudeste, incluindo a existência de milhares de espécies de flora e fauna.

Biopirataria

Cerca de 2 mil plantas ocorrem em campos e outros ambientes não florestais. Centenas de espécies de vegetais nativos (medicinais, ornamentais, forrageiras e frutíferas) são levados para outros países, em forma de biopirataria, gerando renda lá fora. Destacamos alguns exemplos como a espinheira-santa, as petúnias, as verbenas, o butiazeiro e o araçá.

Em novembro começam a florescer, nos campos próximos às beiras de estradas, as verbenas-roxas-compridas, de nome científico Verbena bonariensis, uma planta ornamental originária do Pampa e dos Campos Sulinos, incluindo Argentina e Uruguai.

Alvo de biopirataria de plantas ornamentais, é usada principalmente na Europa EUA e Austrália. Há poucos anos, tivemos a oportunidade de encontrá-la em Amsterdã, Holanda, em vasos dependurados junto às pontes dos canais típicos daquela linda cidade, junto com petúnias também dos nossos Campos Sulinos.

Por aqui, nem mudas destas plantas temos.

verbena Paulo Brack

A riqueza natural e a cultura diversa e os modos de vida tradicionais, em grande parte ligados à pecuária familiar, são sustentáveis, mas desconhecidos pela sociedade e também por parte dos agentes públicos e econômicos. O turismo rural e de aventura, sempre com base familiar ou em pequenos empreendimentos locais junto às belas paisagens e vegetação do Pampa, poderiam gerar renda (mel, geleias, artesanato, lãs naturais, etc.) e melhor qualidade de vida do que os desertos de soja e eucalipto para exportação de grãos e fardos de celulose.

Acreditamos que se a sociedade tiver melhor conhecimento deste patrimônio, poderá forçar políticas públicas mais sustentáveis do ponto de vista socioambiental (pesquisas e apoios a pequenos empreendimentos), mantendo a diversidade tão necessária à qualidade ambiental e à economia.

*Paulo Brack - é biólogo, mestre em Botânica, doutor em Ecologia professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Saiba mais

¹ https://brasil.un.org/pt-br/194107-relatorio-aponta-que-um-milhao-de-especies-estao-ameacadas-de-extincao)

² https://mapbiomas.org/pampa-passa-por-profundas-transformacoes-e-esta-cada-vez-mais-distante-de-sua-configuracao-original

Saiba mais sobre os eventos que debatem o Dia do Pampa https://www.nossobemestar.com/agenda/dezembro-tem-dia-do-pampa/

Compartilhe

Paulo Brack

Paulo Brack

Paulo Brack é biólogo, mestre em Botânica, doutor em Ecologia, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Também pode te interessar

blog photo

Mãos à obra

Uma nova onda de solidariedade se move agora para apoiar quem está voltando para casa

Redação NBE

Redação NBE

blog photo

Ajudas diversas focam na saúde mental

Aqui você encontra várias iniciativas de profissionais voluntários para ajudar os atingidos pela emergência climática

Redação NBE

Redação NBE

blog photo

A rede que balança o mundo

O que era para ser uma modesta ação em família resultou na doação de 42 mil litros de água mineral de Gravatal para o RS

Redação NBE

Redação NBE

simbolo Bem Estar

Receba conteúdos que te inspiram a viver bem

Assine nossa newsletter e ganhe um universo de bem-estar direto no seu e-mail