Legados da pandemia

E a pandemia, quem diria?, está completando duas primaveras

Gilberto Blume

Gilberto Blume

18/11/2021
Legados da pandemia Freepik/NBE

1 min de leitura

A humanidade se desloca trôpega, porém célere, rumo ao segundo ano desta experiência ainda longe de ser absolutamente compreendida, quiçá explicada e/ou assimilada.

Talvez outras tantas primaveras mais sejam necessárias até que esse turbilhão esteja neutralizado e nosso cotidiano possa ser retomado com um cadinho de “normalidade”.

Cá dentro de cada um, contudo, a transformação não só é possível, mas é fundamental.

É contraproducente esperar sentadinho que a Covid se vá num passe mágico, devolvendo-nos as vidas que imaginávamos perfeitas.

Lá atrás, quando a pandemia exibiu sua face, um termo foi repetido à exaustão: “legado”.

O termo circulava em todas as rodas, como se em outro passe mágico fôssemos capazes de fabricar verdades que mitigariam tudo o que estávamos sendo forçados a provar.

Nesta segunda primavera da pandemia, o termo “legado” anda desbotado, surrado que foi pelas urgências dos que exigiam para ontem aprendizados elevados, lições transcendentes, aprimoramentos sobre-humanos.

Caímos na real.

Aprendemos que legados não se constroem a fórceps e sim com calma, observação, reflexão, escutas, sem a velocidade que tentaram impor.

Assim, muitos de nós (felizmente!) chegamos à segunda primavera da pandemia vivos e em plena construção de uma existência mais consistente. Cada um no seu ritmo, respeitando diferenças, operamos sutis transformações internas que, somadas, um dia poderão ser chamadas de legado – espera-se.

A estação da Primavera, com seus peculiares significados ambientais e simbólicos, tem a cara desse ser humano que se autoconstrói.

Renovação, florescimento, revitalização e germinação agora são ações incorporadas por muita gente que se exercita em ser mais plena.

E esse legado pessoal é imune a qualquer vírus, porque está sendo fortalecido com valores que jamais serão abalados.

Compartilhe

Gilberto Blume

Gilberto Blume

Jornalista e paisagista

Também pode te interessar

blog photo

A Cúpula da Terra e o Jornalismo: trinta anos depois

Terça Ecológica debate avanços e urgências

Cláudia Herte de Moraes

Cláudia Herte de Moraes

blog photo

Nada é maior do que a mãe!

A mãe representa nossa sustentação de vida

Rosemari Johan

Rosemari Johan

blog photo

Receita de sopa para noites de abril

Começa o ritual: descasca, corta, pica, reserva. E sente

Débora Chiari

Débora Chiari

simbolo Bem Estar

Receba conteúdos que te inspiram a viver bem

Assine nossa newsletter e ganhe um universo de bem-estar direto no seu e-mail