A tragédia mobiliza, mas não modifica

Poderemos passar por tudo isto e continuarmos sendo os mesmos, voltando ao “nosso normal”

Luis Felipe Nascimento

Luis Felipe Nascimento

22/05/2024
A tragédia mobiliza, mas não modifica Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

3 min de leitura

Durante a pandemia foi muito discutido que com tudo o que estava acontecendo, seja pela dor ou pela solidariedade que aflorou, quando terminasse a pandemia não voltaríamos ao normal, mas sim a “um novo normal”. A expectativa era de que a sociedade brasileira pós-pandêmica seria diferente da anterior à pandemia. Não foi isso que se constatou!

O Rio Grande do Sul vive agora a maior tragédia da sua história e a catástrofe da região metropolitana de Porto Alegre é apontada como a maior da América do Sul. Novamente está sendo impressionante a mobilização e a solidariedade entre os gaúchos e da população de todos os estados brasileiros que estão fazendo campanhas e enviando caminhões com doações e toda forma de auxílio. Chegam também doações do exterior. Nas unidades de atendimento encontra-se voluntários de vários estados e até do exterior. É comovente ver a solidariedade que o povo gaúcho está recebendo.

Todos fomos atingidos, mas posso dizer que eu e minha família somos dos “privilegiados” que apenas ficamos sem luz e água por alguns dias e que não tivemos nossas residências inundadas em Porto Alegre. A Escola de Administração/UFRGS, onde trabalho, foi inundada. Muitos dos meus alunos e dos meus amigos perderam o que tinham dentro das suas casas e outros perderam a própria casa. Alguns estão preocupados porque a água levou a empresa em que trabalhavam.

O que a água não levou?

Não tenho dúvidas de que seremos capazes de manter esta mobilização por algum tempo e reconstruir as casas, as cidades e o RS. Meu convite para reflexão com este texto é sobre a oportunidade de transformação das nossas vidas. O sentimento de solidariedade que nos mobiliza é muito forte e muito bonito, mas ele é canalizado para o outro. Poderemos passar por tudo isto e continuarmos sendo os mesmos, voltando ao “nosso normal”.

Porém, se aproveitarmos este momento para refletirmos como toda esta tragédia questiona os nossos valores, o nosso modo de vida, de nos relacionarmos com as demais pessoas etc., pode sim iniciar aí uma transformação interior que nos levará a vermos a vida e vivermos de outra forma. Será uma oportunidade de autoconhecimento e de reconexões.

Em alguns casos, a água levou mais do que móveis, fogão e geladeira, levou também fotos e lembranças que não poderão ser recuperadas na reconstrução das casas. Talvez a reflexão possa começar por aí: “O que a água não levou? O que as tragédias não conseguem tirar de nós?”. Cada um terá as suas respostas e sobre elas é que podemos reconstruir nossas vidas.

Este exercício de repensar a vida não levará necessariamente a uma vida mais espiritualizada. Para alguns, talvez esta seja uma oportunidade para mudar o seu modo de consumo, de fazer uso da economia compartilhada e fazer uso dos bens sem a necessidade da posse. Estão surgindo novas formas de viver que são mais econômicas, mais sustentáveis e que integram as pessoas. A reconstrução é uma oportunidade para uma transformação dos nossos valores e do estilo de vida.

Não será fácil! Mas, lembrando a frase de Winston Churchill: “Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade. Um pessimista vê uma calamidade em cada oportunidade”. Eu não vejo utilidade em ser outra coisa que não otimista.

Publicado originalmente no Sler

Compartilhe

Luis Felipe Nascimento

Luis Felipe Nascimento

Luis Felipe Nascimento é professor na escola de Administração da UFRGS.

Também pode te interessar

blog photo

O caos atual destrutivo e o caos generativo como saída salvadora

O fenômeno do caos resultou da observação de fenômenos aleatórios como a formação das nuvens e particularmente o que veio a se chamar de efeito borboleta

Leonardo Boff

Leonardo Boff

blog photo

Sobre riscos e insustentabilidade

O risco climático é real. Os custos associados a ele também. O “Custo Rio Grande do Sul” fica maior a cada novo episódio de clima extremo

Paulo Eduardo Macedo Ferretti

Paulo Eduardo Macedo Ferretti

blog photo

O iceberg da crise da falta de cuidado

Para dentro do mar, nas partes mais internas desse iceberg, está guardado nosso lado demens, o oposto do sapiens

Sílvia Marcuzzo

Sílvia Marcuzzo

simbolo Bem Estar

Receba conteúdos que te inspiram a viver bem

Assine nossa newsletter e ganhe um universo de bem-estar direto no seu e-mail