Bem-vindo ao Nosso Bem Estar!
Para acessar toda positividade de nosso conteúdo, escolha o portal mais próximo a você.

Saúde Integral

21/11/2019 08h00

A Força da Acupuntura

Um método consagrado na medicina chinesa e no ocidente que trata uma infinidade de problemas

Por Nosso Bem Estar

Pixabay
1

A Força da Acupuntura

A acupuntura pode ser aplicada como tratamento para diversas enfermidades, e vem ganhando cada vez mais adeptos ao longo dos anos, sendo, inclusive, aceita como prática integrativa e complementar pelo sistema de saúde brasileiro.

Ela surgiu na China, há cerca de cinco mil anos, mas hoje em dia é utilizada em todo mundo pelo seu grande poder terapêutico. A seguir, falaremos mais sobre a sua origem, benefícios e indicações. Acompanhe!

Os princípios da acupuntura

A acupuntura faz parte da medicina tradicional chinesa e tem uma visão energética do organismo. De acordo com essa filosofia, existe uma energia que percorre todo o corpo, sendo influenciada por ancestrais, alimentação, respiração, entre outros elementos.

Essa energia circula pelos meridianos (também conhecidos como canais de energia) e pode ser afetada por situações internas ou externas que causam um desequilíbrio nesse processo, resultando em distúrbios emocionais e doenças.

Diante disso, a técnica milenar acredita que a pressão em determinados pontos do meridiano é capaz de estimular essa energia para que ela flua de forma adequada. O processo pode ser feito com a aplicação de agulhas ou com materiais como pedras, bambu e sementes.

Os meridianos estão relacionados com os órgãos, como pulmão, coração, fígado, rim, bexiga, intestino e estômago. Já os pontos da acupuntura estão espalhados por diversas partes do corpo, como mãos, pés e orelha, e é importante saber qual local deve ser estimulado para liberar a energia e restabelecer o equilíbrio. Assim, a inserção de uma agulha nas mãos, por exemplo, pode ser positiva para tratar sintomas em outras partes do corpo.

Além disso, vale ressaltar que o método oriental não se baseia apenas no sintoma e tem uma atuação holística, pois analisa questões emocionais e outros aspectos da vida e do corpo do paciente.

A acupuntura na medicina ocidental

Os benefícios da acupuntura começaram a ser percebidos pela medicina ocidental somente no século XX. Os estudos e pesquisas se aprofundaram ao longo dos anos, e médicos e cientistas constataram os seus efeitos positivos. Assim, a técnica passou a ser considerada uma alternativa complementar à medicina tradicional.

Em 1979, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu os benefícios da prática para o tratamento de diversas patologias, entre elas tendinite, enxaqueca, lombalgia, dores nas articulações e no estômago. Além disso, a técnica pode ser benéfica para lidar com questões emocionais, como ansiedade, estresse, depressão etc.

No Brasil, no início, o tratamento com agulhas ficava restrito aos imigrantes chineses e japoneses, mas, com o passar do tempo, começou a ganhar novos adeptos e profissionais especializados. Em 1958, foi realizado o primeiro curso de formação de acupuntura por aqui, e em 1995 ela foi reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina. Dessa forma, algumas universidades passaram a oferecer a acupuntura como disciplina eletiva para aumentar a especialização na área.

E o avanço não parou por aí: em 2006, a medicina tradicional chinesa foi incluída na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), o que possibilitou o tratamento com acupuntura a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). Além de unidades do SUS, alguns hospitais particulares do país contam com residência médica em acupuntura e oferecem a terapia aos pacientes em determinados casos.

As pesquisas sobre acupuntura

A acupuntura é um método consagrado na medicina chinesa e no ocidente, especialmente após o avanço das pesquisas sobre o assunto ao redor do mundo. No primeiro caso, há uma visão mais holística da recuperação do indivíduo e a crença nos pontos de energia. Já no ocidente, estudos indicam que os benefícios gerados estão relacionados a aspectos neuro-hormonais, ou seja, ao estimular o nervo com a inserção da agulha em pontos específicos, o cérebro recebe esse sinal e libera endorfina para o organismo, o que resulta na sensação de bem-estar e na diminuição da dor.

Entretanto, independentemente da visão, é fato que a técnica alcança resultados positivos no alívio de dores, por isso, vem sendo bastante difundida em muitos países e aplicada em diversas situações.

Estudiosos da Universidade de York, na Inglaterra, por exemplo, constataram os benefícios da prática para a depressão. Na ocasião, foram analisados mais de 750 pacientes com sintomas moderados e severos, e a acupuntura se mostrou uma técnica efetiva para complementar o tratamento.

Pesquisas também comprovam a eficácia da aplicação de agulhas para lidar com a lombalgia. Um estudo, realizado pelo Centro de Acupuntura do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do HC, acompanhou dois grupos de pacientes com lombalgia crônica e identificou que as pessoas que realizaram o tratamento convencional associado à acupuntura apresentavam uma queda significativa na escala de dor.

Em outra análise, feita a partir de 29 estudos clínicos em diversos países, o método se mostrou, mais uma vez, positivo para tratar a lombalgia, além de outras dores crônicas, como osteoartrite e cefaleia. A investigação foi feita com mais de 17 mil pacientes nos Estados Unidos, Alemanha, Espanha, Suécia e Grã-Bretanha.

A acupuntura ainda pode ser significativa para quem deseja engravidar. Pesquisadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, acompanharam cerca de 4 mil pacientes durante o processo de fertilização in vitro, e, ao longo do estudo, eles observaram que a terapia chinesa contribuiu para o sucesso da fertilização, uma vez que favorece o fluxo sanguíneo no endométrio, regula os hormônios e diminui a ansiedade.

Essa especialidade terapêutica também pode ser utilizada durante a gravidez para amenizar enjoos, dores nas costas e inchaço nas pernas, e para estimular as contrações uterinas no início do trabalho de parto.

Esses são alguns exemplos do uso da acupuntura e evidências sobre os resultados dela, mas há ainda outras possibilidades de aplicação. Há estudos que analisam os resultados da prática em tratamentos para hipertensão, rinite crônica, obesidade, para amenizar sequelas motoras em casos de acidente vascular cerebral (AVC), entre outras situações.

Além disso, há uma variação da técnica voltada para aspectos estéticos. Hoje em dia, é possível encontrar espaços e acupunturistas especializados na área, que realizam a aplicação de agulhas com foco no rejuvenescimento, para suavizar marcas de expressão e rugas, aumentar a elasticidade da pele, entre outras vantagens.

Os benefícios da técnica

A acupuntura é praticamente indolor, e agrega mais qualidade de vida aos pacientes ao atuar no tratamento de dores em diversas partes do corpo.

Os resultados positivos identificados por estudos e pesquisas, e a expansão do número de profissionais especializados, sem dúvida, são fatores relevantes para isso. Além do mais, a terapia tem poucas contraindicações (ela não é recomendada para pessoas com doenças hematológicas ou com alergia a metais, por exemplo) e não gera efeitos colaterais.

No entanto, a acupuntura deve ser indicada e realizada por profissionais especializados e com os instrumentos adequados. Geralmente, utiliza-se cerca de dez agulhas, e a sessão tem, em média, uma hora de duração, entretanto, o tratamento pode variar de acordo com o diagnóstico. Além disso, hoje em dia também é possível fazer acupuntura com laser.

Conhecer os pontos corretos e dominar a técnica de aplicação é essencial para os bons resultados com a acupuntura. Além do tratamento para a dor, há outros benefícios, como o fortalecimento do sistema imunológico, a melhora na circulação sanguínea, o aumento de vitalidade e energia, relaxamento, diminuição de estresse e melhora do sono.

Gostou de saber mais sobre acupuntura? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Escreva pra gente. Até a próxima!

 

 

 

 

 

 

X