Bem-vindo ao Nosso Bem Estar!
Para acessar toda positividade de nosso conteúdo, escolha o portal mais próximo a você.

Família

13/11/2019 08h00

Não me deixem só!

Sabia que os pets podem sofrer de ansiedade de separação?

Por Nosso Bem Estar

Pixabay
Design sem nome(2)

Não me deixem só!

Quando você vai sair de casa, o seu bichinho de estimação apresenta um comportamento diferente? Alguns pets podem sofrer com ansiedade de separação e é importante identificar esse problema para garantir o bem-estar de seu amigo de quatro patas!

A situação geralmente é representada por uma certa agitação, além de choro e latido em excesso quando o animal fica sozinho, e pode causar sofrimento e outras complicações de saúde. Sendo assim, é necessário dar atenção aos sinais e buscar formas de minimizá-los.

A seguir, preparamos algumas dicas sobre o assunto. Continue a leitura para saber se o seu pet sofre de ansiedade de separação e como resolver esse problema.

Sinais de que o seu pet sofre com ansiedade de separação 

O comportamento pode ocorrer com cães e gatos, sendo mais comum com o primeiro grupo. Um dos principais sinais de ansiedade de separação é a agitação — quando o animal percebe que o tutor está prestes a sair, ele começa a segui-lo pela casa, por exemplo.

Outro indicativo é o choro em excesso: nesse caso, o dono costuma ser alertado pelos vizinhos, já que a situação gera um certo incômodo. Contudo, cada bichinho pode apresentar comportamentos distintos: há pets que arranham móveis e destroem peças de roupas e itens pela casa, já outros ficam em estado abatido, sem demonstrar reações ou interesse por comidas e brinquedos, por exemplo, o que pode gerar complicações de saúde no futuro.

Alguns sinais de ansiedade de separação são:

  • agitação;
  • latido ou miado em excesso;
  • choro; 
  • comportamento destrutivo; 
  • urina ou fezes fora do lugar; 
  • alterações na alimentação.

 

Para saber se o seu pet sofre com ansiedade de separação, observe esses sinais, converse com vizinhos ou coloque uma câmera de monitoramento para acompanhar o comportamento dele ao longo do dia. O equipamento costuma ter um valor acessível, fácil instalação e permite visualizar as imagens pelo smartphone ou computador. Dessa forma, você fica mais informado sobre as condições e segurança do seu bichinho.

Como lidar com a situação 

Para quem passa o dia todo fora de casa, saber que o animal sofre ao ficar sozinho, certamente, é angustiante. Contudo, é possível tomar algumas atitudes para contornar a situação.

O primeiro passo é entender que a forma como o cão ou o gato lida com a solidão depende muito da postura do dono. Por isso, é necessário dar atenção ao pet e buscar estratégias para resolver o problema, garantindo o bem-estar dele. Dessa forma, você também terá mais tranquilidade quando estiver fora de casa. 

Uma das dicas é brincar com o pet ou levá-lo para passear antes de sair para o trabalho ou outro compromisso. Assim, ao ficar sozinho, ele utilizará o tempo para repor as energias, comer e dormir.

Se o animal é recém-chegado ao lar, você pode utilizar estratégias para acostumá-lo aos períodos em que ficará sozinho. Antes de permanecer o dia todo fora, faça algumas saídas mais curtas, cerca de cinco minutos, e aumente a duração aos poucos, para mostrar ao pet que você retornará para casa, fortalecendo a confiança dele.

Outra dica é evitar comportamentos efusivos ao se despedir de seu amigo peludo ou ao retornar para a casa, pois isso costuma aumentar a ansiedade. Essa situação pode ser um pouco difícil —muitos donos fazem uma grande festa ao encontrar o bichinho depois de um dia todo fora — entretanto, é preciso manter o controle para que ele se acostume com a rotina da família e fique confortável ao longo do dia.

Deixar brinquedos, petiscos escondidos e uma peça de roupa sua por perto são mais algumas atitudes para entreter o animal e evitar o sofrimento. Caso essas estratégias não funcionem, ou a ansiedade de separação apresente sintomas graves que interfiram na alimentação, na integridade e na saúde dele, é essencial buscar apoio com um veterinário para verificar o tratamento mais adequado, que pode ser feito com calmantes, florais, dentre outros métodos.

A importância do adestramento para evitar a ansiedade de separação dos pets

Investir em adestramento também é interessante para garantir o bem-estar e a qualidade de vida do pet. Você pode fazer isso ao oferecer petiscos e recompensas após ele realizar comandos e tarefas, como sentar, deitar ou comer no lugar e horário correto.

É importante fazer com que o animal adquira uma certa independência. Assim, quando ele ficar sozinho, não terá tanto medo e conseguirá satisfazer as necessidades básicas, encontrando formas de se entreter com mais facilidade.

Contar com o apoio de um adestrador pode ser ainda mais positivo para lidar com a ansiedade de separação, já que o profissional tem conhecimento sobre os comportamentos dos pets e as melhores formas para treiná-los. No entanto, antes de contratar o especialista, avalie se os métodos de adestramento são adequados ao seu perfil e do seu animal para que haja um alinhamento no processo.

E então, gostou das dicas para lidar com ansiedade de separação dos pets?

 

 

X