Bem-vindo ao Nosso Bem Estar!
Para acessar toda positividade de nosso conteúdo, escolha o portal mais próximo a você.

Saúde Integral

19/06/2019 08h00

O corpo fala!

O BodyTalk é uma técnica terapêutica que gera resultados impressionantes

Por Sandra Maier Fernandes

Pixabay
Co%cc%81pia de sem nome(1)

O corpo fala.

Se o seu corpo falasse, qual seria a primeira coisa que ele lhe diria quanto ao que não está legal? E se, ao contar o que não está funcionando, vocês chegassem a uma harmonia consensual?

Pois uma grande novidade é que há formas de nosso corpo, mesmo não falando, nos contar tudo o que não está bom. Partindo do pressuposto de que todas nossas experiências, sejam emocionais, sociais, espirituais ou comportamentais, estão armazenadas em nossas células e podem afetar diretamente nossa saúde, ao resgatarmos estas informações, teremos um princípio de solução de nossos desconfortos.

Esta é a proposta do BodyTalk (o corpo fala), uma nova terapia integrativa que entrelaça vários conhecimentos e tem a capacidade de acessar essas informações, que na maioria das vezes, encontram-se em nosso subconsciente.

Desenvolvido nos anos 90 por John Velthein, um australiano fisioterapeuta atualmente vivendo nos Estados Unidos, o BodyTalk é um sistema que entrelaça sabedorias milenares da Medicina Tradicional Chinesa e conhecimentos mais atuais, como a teoria dos campos mórficos, Física Quântica e a teoria dos campos de torção. É um sistema vivo e dinâmico em contínuo desenvolvimento pelo seu criador.

Com o entendimento de que nosso corpo é um sistema complexo e que, para estar em harmonia, todos os sistemas internos devem estar se comunicando e se relacionando com equilíbrio, no que diz respeito a micro e macrocosmo, o BodyTalk se fundamenta em três pilares fundamentais: o protocolo, que é a estruturação de todos os conhecimentos científicos; o teste do biofeedback neuromuscular; e a intuição estruturada. Por meio da exploração destes três fundamentos, o BodyTalk observa os desequilíbrios presentes no complexo corpo-mente e desperta a capacidade de auto cura que é inata aos seres vivos.

Nossa capacidade de auto cura pode ser diminuída ou mesmo perdida por questões como traumas, contato com substâncias químicas ou mesmo por nossos sistemas de crença herdados ou adquiridos.

Em uma sessão de BodyTalk, após a permissão do corpo para que a sessão seja iniciada e em ordem de prioridade, o corpo vai revelando onde a comunicação está ineficiente. Após o revelar de uma sessão, usamos a implementação para “gravarmos” nos três cérebros, mental, cardíaco e entérico, as questões a serem vistas por um novo ângulo e a serem resignificadas.

Durante uma sessão de BodyTalk coisas fascinantes acontecem, desde de revelar situações que embora nós não tenhamos consciência, repercutem profundamente em nossas vidas; ressignificar situações e vivências que nos causavam desconfortos; ou até mesmo entender e aceitar que o nosso corpo tem seu próprio ritmo no processo de auto cura. Ao final da sessão é ele, o corpo, de forma não verbal, que diz quando estará pronto para retornar a uma nova sessão.

Mas e se eu estou saudável e feliz, no que a técnica de John Velthein pode ajudar?

Por se tratar de uma terapia de autoconhecimento, ele previne ou minimiza disfunções futuras. Por exemplo, um sistema de crenças que herdei da minha família pode causar uma limitação nas minhas decisões. Este sistema, ao ser trabalhado em uma sessão, poderá ser neutralizado me liberando de minhas limitações que minhas crenças me impõem.

Baseado na exposição acima, o BodyTalk é um sistema de autoconhecimento, baseado na psicologia do corpo, que respeita as individualidades de uma forma poucas vezes antes vista, pois é uma medicina projetada pelo próprio corpo do paciente.

Apesar de todos os benefícios expostos, inclusive o fato de o BodyTalk poder reestabelecer o equilíbrio em pessoas de todas as idades, em animais e plantas, não podemos perder de vista um aspecto importante a ser destacado: o BodyTalk não substitui outros cuidados na área de saúde, muito embora ele complemente e possa ser associado a outros tratamentos, potencializando a eficácia dos mesmos.

X