Bem-vindo ao Nosso Bem Estar!
Para acessar toda positividade de nosso conteúdo, escolha o portal mais próximo a você.

Família

08/05/2019 08h00

Depressão é, sim, uma doença!

Ela é uma preocupação mundial, que afeta pessoas de todas as idades, e precisa ser analisada com atenção.

Por Nosso Bem Estar

Pixabay
Design sem nome (1)

Depressão é, sim, uma doença!

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de casos de depressão aumentou 18% em dez anos. O Brasil lidera o ranking da doença na América Latina, ou seja, cerca de 6% da população brasileira sofre com esse transtorno - o que representa mais de 11 milhões de pessoas.

Hoje em dia, é possível encontrar mais informações sobre a doença, entretanto, ainda há bastante preconceito, o que faz com que algumas pessoas evitem o assunto e não procurem o tratamento adequado.

Sendo assim, se você sofre com depressão ou tem algum amigo ou familiar que está passando por ela, busque ajuda e apoio de profissionais especializados.

A depressão é, sim, uma doença

Depressão é uma doença psiquiátrica que ocasiona alteração no humor, gerando uma tristeza profunda. Este sintoma impede a pessoa de realizar desde atividades simples, como escovar os dentes, até outras mais complexas. A previsão da OMS é que, até 2020, essa será a doença mais incapacitante do planeta.

A depressão pode atingir pessoas de todas as idades. É muito importante que os familiares estejam atentos para identificar os sinais e oferecer apoio ao paciente. Devido à falta de informação e a um preconceito cultural, muitas pessoas ainda encaram a depressão como “frescura”, “falta do que fazer” ou “doença de rico”. No entanto, ela pode atingir todas as classes sociais, e é fundamental que o paciente encontre o apoio necessário.

Os sintomas são provocados por desequilíbrios cerebrais, relacionados à diminuição de neurotransmissores, como a serotonina — hormônio ligado à sensação de prazer e bem-estar. Além disso, há alguns fatores de risco, como histórico familiar, estresse, ansiedade, traumas físicos ou psicológicos, vícios, entre outros.

A depressão pode ser reativa, quando acontece a partir da influência do ambiente externo, como: pressão no trabalho. Ou por fatores psicobiológicos, nomeado como depressão endógena. Nesse caso, ela pode surgir a qualquer momento.

Muitas pessoas têm dificuldades de entender os sintomas e acabam não buscando ajuda, o que pode agravar a doença. É importante distinguir a tristeza passageira, causada por alguma situação do cotidiano, como perda do emprego e morte de familiares, da tristeza patológica, que, em alguns casos, impede o indivíduo de levantar da cama. A depressão surge quando a tristeza se torna contínua e a pessoa não consegue sair dessa situação sozinha.

Depressão na adolescência

Reconhecer a depressão na adolescência não é algo simples, já que é comum algumas mudanças de comportamento nessa fase. Contudo, as pressões dessa idade, geralmente marcadas por questões, como: sexualidade, dificuldade para lidar com frustrações, escolha de carreira, bullying, entre outras situações, podem se tornar um agravante para os casos de depressão. Por isso, é necessário investigar se as alterações de humor são ou não passageiras. Um isolamento frequente pode ser um sinal de depressão.

A doença é bastante séria e pode resultar em complicações para a saúde, gerar um consumo excessivo de álcool e drogas e até levar ao suicídio. De acordo com dados da OMS, o suicídio é responsável por 800 mil mortes anuais no mundo. Desse número, 220 mil são jovens entre 15 e 29 anos — essa é a segunda causa de morte nessa faixa etária, perdendo apenas para a violência. Há alguns fatores que podem levar uma pessoa a sofrer suicídio, e os transtornos mentais, como a depressão, são um dos principais.

Depressão na terceira idade

A depressão não acomete apenas jovens e adultos: os idosos também sofrem com o transtorno. A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), divulgada em 2015, identificou que mais de 11 milhões de brasileiros sofriam da doença. A população entre 60 e 64 anos representava 11% dos diagnosticados.

A falta de motivação e o isolamento nessa faixa etária podem ser alguns dos fatores para o surgimento do transtorno, que costuma gerar angústia, apatia e negativismo. Por isso, a família precisa ter um contato frequente para identificar a depressão no idoso, buscar tratamento e incentivar a realização de atividades que tragam bem-estar e que aumentem o convívio social nessa fase da vida.

Existem alguns sinais clássicos da depressão (veja o box). Lembre-se que é importante fazer o acompanhamento com um profissional especializado, que poderá realizar o diagnóstico adequado.

Se você suspeita que um amigo ou familiar esteja com depressão, procure criar um ambiente acolhedor e apoiá-lo, sem criticar ou tentar animá-lo em excesso. Muitas pessoas não buscam tratamento com receio de ser julgadas, por isso, essas atitudes podem afastá-las.

Como buscar ajuda para vencer a depressão?

A depressão é uma doença séria e que precisa de acompanhamento médico. Entretanto, segundo a OMS, apenas metade das pessoas com o transtorno buscam tratamento.

Quando a depressão é diagnosticada e acompanhada de forma correta, o indivíduo consegue ter melhor qualidade de vida e evita complicações que podem ser estimuladas pela doença, como quadros cardiovasculares e AVC.

O atendimento e tratamento para casos de depressão podem ser realizados pelo Sistema Único de Saúde e nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Outra opção é buscar atendimento em clínicas especializadas. Além disso, há locais que oferecem consultas gratuitas ou de baixo custo com psicólogos, a exemplo de universidades e outras instituições.

As sessões de terapia podem ajudar o indivíduo a lidar com a tristeza, sentimento de angústia, ansiedade, insegurança, entre outras questões. Esse pode ser um dos primeiros passos para identificar a depressão. Contudo, caso haja a necessidade de medicação, o tratamento deve ser feito com um profissional psiquiatra.

Quem sofre de depressão e apresenta risco de suicídio, também pode buscar ajuda em conversas com os voluntários do Centro de Valorização da Vida (CVV), que realiza apoio emocional e prevenção ao suicídio em atendimento gratuito e sigiloso. Basta ligar para 188.

A depressão é uma preocupação mundial e uma doença que precisa de acompanhamento médico. Sendo assim, é importante se informar sobre o assunto para oferecer o apoio adequado a algum amigo ou familiar que esteja passando por isso.

 

Sinais da doença

Os quadros da doença variam de intensidade e duração, e podem ser classificados em grau leve, moderado e grave. Entre os principais sintomas estão:

 

  • Tristeza profunda e contínua sem motivo aparente;

  • Dificuldade de sentir alegria e prazer em atividades que antes eram consideradas agradáveis;

  • Alterações no sono e apetite;

  • Isolamento social;

  • Apatia;

  • Sentimentos de medo, insegurança e desespero;

  • Dificuldade de concentração;

  • Diminuição do desempenho sexual e da libido;

  • Baixa autoestima;

  • Sentimento de culpa.

X