Bem-vindo ao Nosso Bem Estar!
Para acessar toda positividade de nosso conteúdo, escolha o portal mais próximo a você.

Família

09/11/2017 06h30

Para onde ir ao envelhecer?

Veja como são os residenciais e as repúblicas para idosos, uma tendência que chegou para ficar.

Por Nosso Bem Estar

Pixabay
M32 old couple 2313286 960 720

Opção com qualidade

Pessoas de mais idade que não têm condições de permanecer com a família, geralmente, vão para casas geriátricas de repouso. Porém, existem outras alternativas interessantes que podem trazer uma qualidade de vida para todos os envolvidos. Conheçam os residenciais para idosos.

Rotina de um residencial do gênero

Como você imagina que seja a rotina de um idoso em uma casa geriátrica? Provavelmente não pensa que ele vá receber café na cama, que pode passar algum tempo fazendo exercícios físicos na academia, lendo um livro na biblioteca, jogando cartas com amigos na varanda, fazendo hidroginástica no complexo esportivo ou praticando uma caminhada leve pelo jardim.

No entanto, essa pode ser a rotina nos residenciais para idosos. Sim, eles são confortáveis e agradáveis como um hotel de luxo, sendo uma ótima alternativa para quem não pode residir com a família, por quaisquer motivos.

Estes residenciais possuem várias refeições por dia à disposição do idoso. Além disso, existem muitas opções de lazer: inclusive alguns contém cinema. Porém, as atividades são espontâneas, não obrigatórias.

Indicação dos residenciais

As residências são indicadas para pessoas acima dos sessenta anos de idade, especialmente aquelas que têm dificuldade de locomoção ou para portadores de doenças como Mal de Alzheimer.

Engana-se quem acredita que sempre são as famílias que levam seus parentes para esses locais. Muitos deles vão por conta própria. Afinal, lá terão todo o conforto possível, com refeições e atividades de lazer, além de profissionais para atender em tempo integral as suas necessidades.

Os melhores residenciais para idosos possuem nutricionista, psicólogo, fisioterapeuta, laboratório de análises clínicas, etc. É claro que todo esse conforto e assistência possui um preço considerável. Há residenciais que chegam a cobrar R$ 10.000,00 por mês para a estadia dos idosos, podendo ser casa, apartamento ou quarto em um prédio. E acredite: muitos têm fila de espera.

Solução para quem não pode pagar

Se não dá para arcar com este alto custo, que tal se juntar com outros amigos e ratear as despesas? A velha República pode ser uma saída! Não é preciso morar sozinho ou ter que ir para uma casa geriátrica comum. Que tal dividir uma casa com outras pessoas de idade e limitações semelhantes?

Como funciona uma república

Você deve saber que muitos estudantes vivem em repúblicas, ou seja, uma residência compartilhada com outras pessoas, para dividir as despesas. Essa é uma boa alternativa. Afinal, com apenas R$ 150,00 mensais é possível fazer parte dessa modalidade de moradia, que contempla o pagamento das taxas de água, luz e gás. Nas repúblicas, cada idoso precisa colaborar também com a manutenção do espaço.

Elas são uma alternativa para a solidão, através da vida em comunidade. Além disso, dividir uma casa evita a depressão, o desânimo e os problemas de autoestima baixa. Além de conviver com os idosos da residência, é possível fazer novas amizades, já que todos recebem visitas e as casas, constantemente, estão repletas de pessoas.

Vida social fora dali

Uma grande vantagem, tanto das repúblicas como dos residenciais, está em poder sair, em ter vida social fora das dependências do lugar, já que ali as pessoas são independentes. Em casas geriátricas tradicionais, normalmente, os idosos estão limitados a esse espaço, tendo apenas a convivência com seus colegas de casa ou de parentes que os visitam. 

X