Bem-vindo ao Nosso Bem Estar!
Para acessar toda positividade de nosso conteúdo, escolha o portal mais próximo a você.

Crescimento pessoal

07/11/2017 06h30

Complementares, mas fundamentais!

Conheça melhor os benefícios à saúde proporcionados pelas terapias integrativas, indicadas inclusive para o tratamento do câncer.

Por Nosso Bem Estar

Pixabay
M15 people 2587066 960 720

Terapias para conhecer

O equilíbrio é sempre indicado para alcançar o bem-estar, seja no trabalho, na alimentação ou nos exercícios físicos.

Na área da saúde, essa realidade também vem sendo concretizada. O que antes era conhecido como território exclusivo da medicina tradicional, hoje, se transforma em um leque de opções para os pacientes que buscam o equilíbrio, também, nos tratamentos.

Estamos falando do crescimento e popularização das terapias integrativas, capazes de oferecer ainda mais qualidade de vida para os pacientes. Quer entender como elas funcionam e quais são os principais avanços sociais relacionados a ela? Acompanhe nosso artigo.

Panorama das terapias integrativas no Brasil

Não é de hoje que as terapias que fogem dos princípios da medicina convencional vêm ganhando espaço, principalmente entre aqueles que buscam o equilíbrio da saúde por meio de duas abordagens: a física e a mental.

Entende-se por terapias integrativas todas as práticas complementares à medicina tradicional, que visam à melhora do estado clínico e emocional do paciente. Desde 2006, elas já fazem parte do Sistema Único de Saúde, com a implantação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares.

Até então, o SUS oferecia dentre os seus serviços, práticas corporais em medicina tradicional chinesa, dança circular, yoga, auriculoterapia, massoterapia, tratamento termal e terapia comunitária. No entanto, desde março deste ano outras 14 práticas integrativas passaram a fazer parte do catálogo de serviços do SUS, como a musicoterapia, tratamento naturopático, reiki, arteterapia, meditação, entre outras.

Com o passar do tempo, novas modalidades foram inclusas no serviço público de saúde, e com isso, a população vem buscando um esclarecimento sobre as dúvidas que, durante muito tempo, rodearam as práticas integrativas.

Aos poucos, os benefícios dessas terapias vão sendo estendidos, como mostra os números do Ministério da Saúde: de 2008 para 2016, a quantidade de atendimentos feitos pelo serviço público cresceu 670%, passando de 271 mil para 2,1 milhões, respectivamente. Somente no ano passado, foram realizados nas Unidades Básicas de Saúde 770 mil atendimentos de medicina tradicional chinesa (incluindo a acupuntura), 85 mil de fitoterapia, 12 mil de homeopatia e 923 mil de outras práticas que, atualmente, fazem parte da política nacional.

Com o aumento da procura pelos serviços durante esses oito anos, a quantidade de estabelecimentos que oferecem as práticas integrativas cresceu de 967 para mais de 5.500.

O trabalho de descentralização desses serviços está apenas começando: somente 30% dos municípios do país já oferecem as terapias, que estão concentradas em capitais e cidades de médio porte. 

O grande desafio social das práticas integrativas é, justamente, o conhecimento sobre elas, tanto da população em geral como dos profissionais, que podem se especializar para oferecer os serviços. E é exatamente por isso que vamos falar sobre algumas das terapias que podem ser combinadas com abordagens médicas tradicionais.

Arteterapia 

Ao longo da história, em todas as culturas, muitas manifestações artísticas – dança, música, esculturas, pinturas etc. – têm sido usadas pelo homem em seus rituais de cura. A explicação para isso é que todas essas atividades possibilitam a decodificação das sensações. Em uma sessão de Arteterapia, esse ritual se repete. Utilizada por psiquiatras desde o século XIX, a Arteterapia foi inicialmente aplicada em hospitais psiquiátricos e hoje se encontra amplamente difundida nos processos terapêuticos modernos. Os resultados são rápidos e profundos, pois a arte possibilita a cura por meio da expressão das emoções e da ampliação da percepção do mundo subjetivo.

Ayurveda

Ayurveda é a medicina tradicional da Índia, que teve origem mais de 5.000 anos. O ayurveda busca restabelecer o equilíbrio no corpo através da dieta, do estilo de vida, de exercícios e da limpeza do corpo e do espírito. Como a medicina tradicional chinesa, o ayurveda é um sistema médico, o que significa que ele é baseado em teorias de saúde, doença e métodos de prevenção e tratamento de diversos problemas.

Biodanza®

É um sistema que estimula o desenvolvimento humano através de vivências integrativas induzidas pela música e pela dança. Nas palavras do seu criador, Rolando Toro, a Biodanza é "um sistema de desenvolvimento humano, renovação orgânica, integração afetiva e reaprendizagem das funções originárias de vida". Compõe-se de um conjunto de exercícios e músicas organizado segundo um profundo modelo teórico, com o objetivo de elevar o nível de saúde, desenvolver a comunicação, estimular a criatividade e a renovação existencial.

Tratamento Osteopático

A osteopatia é considerada uma terapia integrativa pelos princípios que se diferenciam dos da medicina tradicional. Os tratamentos, nesse caso, são baseados na capacidade de recuperação do organismo por meio da estimulação das articulações, de forma que os sintomas sejam regredidos ao longo do tempo.

Por esse motivo, a osteopatia é complementar a tratamentos de lombalgia, hérnia de disco, dores de cabeça, alterações de sensibilidade e limitações articulares. A prática é reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, e só pode ser exercida por fisioterapeutas com pós-graduação na técnica.

Reiki

Para entender o que é Reiki, é preciso ir até sua origem. Composta por duas palavras japonesas “Rei”, que significa sabedoria divina ou poder superior, e “Ki”, energia vital, a prática atua na redução do estresse e conquista do relaxamento.

Ela trabalha diretamente com a frequência energética por meio do toque ou imposição das mãos de um terapeuta sobre o corpo do paciente. O Reiki visa fortalecer e desbloquear a energia, reestabelecendo, assim, o fluxo energético vital da pessoa.

Meditação

Apesar de já bastante conhecida, ela ainda é pouco praticada como terapia integrativa. O grande ganho da meditação é o desenvolvimento do processo de autoconhecimento, autotransformação e aprimoramento das interrelações nos âmbitos pessoal, social e ambiental.

A prática amplia a capacidade de observação, concentração, atenção, além de regular o corpo, a mente e as emoções.

Musicoterapia

A musicoterapia tem como objetivo tratar problemas de ordem física, emocional e mental através da música e de seus elementos, como: ritmo, harmonia e melodia.

Terapeuticamente, a música faz com que o paciente expresse suas ansiedades, desejos, tensões e alegrias. Estes sentimentos, muitas vezes, estão bloqueados pela falta de estímulo e estresse. A música pode ser considerada uma ferramenta integrativa para o alcance da qualidade de vida e do bem-estar.

Quiropraxia

A quiropraxia busca diagnosticar, tratar e prevenir as disfunções mecânicas do sistema neuromusculoesquelético, e os efeitos delas no sistema nervoso e na saúde.

O tratamento da quiropraxia é dividido em três etapas. A primeira tem como objetivo reduzir, e até mesmo eliminar, os sintomas do desalinhamento da coluna. A segunda etapa, por sua vez, busca a estabilização para que, na terceira, seja trabalhada a manutenção desta estabilidade, de forma a proporcionar bem-estar em longo prazo ao paciente.

Yoga

Essa talvez seja a terapia integrativa mais praticada dentre todas. O yoga trabalha os aspectos físicos, emocionais, mentais, energéticos e espirituais do indivíduo. Existem diversas linhas de prática. O Hatha Yoga, por exemplo, fortalece o corpo e a mente por meio de posturas psicofísicas, técnicas de respiração, relaxamento e concentração.

Dentre os principais ganhos da prática de yoga estão a redução do estresse, regulação do sistema respiratório e nervoso, equilíbrio do sono e da produção hormonal. Além disso, esta terapia fortalece o sistema imunológico e aumenta a capacidade de concentração e criatividade.

Auriculoterapia

A auriculoterapia é indicada para tratar problemas e dores tanto físicas quanto psicológicas, como: enxaqueca, contraturas, obesidade, etc. Ela faz parte de um conjunto de técnicas terapêuticas com base nos preceitos da medicina chinesa. Este tipo de terapia consiste na estimulação com sementes de mostarda, objetos metálicos ou magnéticos e agulhas em pontos específicos da orelha.

Estas são apenas algumas das práticas integrativas. Existem dezenas. Vale a pena pesquisar e conhecer.

X