Bem-vindo ao Nosso Bem Estar!
Para acessar toda positividade de nosso conteúdo, escolha o portal mais próximo a você.

Crescimento pessoal

05/02/2014 17h17

O que significa saúde para você?

Um ponto de vista a partir do equilíbrio entre corpo, mente e espírito

Por Ricardo Faerman, terapeuta

ERIK REIS/ ISTOCKPHOTO/NBE
Sa%c3%bade integral

O que pensamos e sentimos se reflete nas condições de nosso corpo físico

Queremos propor aqui uma revisão do conceito de saúde, desde épocas ancestrais até a atualidade. O objetivo é fazer uma síntese da evolução desta palavra através do tempo, para que possamos compreender a importância de considerar o ser humano integral. Uma abordagem sobre o equilíbrio físico, mental e espiritual, onde apostamos mais em prevenção, através de uma vida saudável e elementos naturais, e consequentemente dependemos menos do sistema médico-hospitalar.

Ao longo da história, este conceito tem sido visto pela cosmovisão de cada cultura. O conceito de saúde tem sua gênese na visão ayurvédica. Foi vista em forma filosófica na cultura chinesa, onde se considera a saúde como tudo que existe no universo, e ela está vinculada a um ente imutável e eterno. Na cultura grego-latina, a saúde foi objeto de reflexão de seus grandes pensadores.

Também se deve explorar a concepção mágico-religiosa mesoamericana, na visão mesopotâmica, egípcia, árabe e judeus como pioneiros na medicina ocidental. Logo se considera o peso do modelo cartesiano na construção deste conceito, que não tinha em vista a pessoa em sua totalidade. Em cada momento histórico se tem produzido importantes variações na concepção de saúde e enfermidade.

As trocas mais relevantes, desde a segunda metade do século XX, têm sido através da Organização Mundial de Saúde. A entidade mantém um papel significativo como um ente aglutinador das últimas tendências neste campo. No entanto, esta concepção ainda não é sistêmica, nem holística, na concepção da palavra.

Podemos dizer que na atualidade é aceito um conceito de saúde ecológico sistêmico, dinâmico e positivo, resultante da interação e adaptação do homem em seu meio físico e social. Mas nosso universo é sábio, e nada é por acaso. Por necessidade imediata, em 1996 ressurgiu um conceito de saúde e doença que abalou o mecanismo pensante rígido, arcaico, dominante de metodologias falhas por ser baseada somente no corpo, mente e nesta vida apenas.

Dentro de um sistema mais etimológico, quebrando paradigmas e pré-conceitos, sendo um dos maiores “booms” na história da Psicologia, Psiquiatria, Medicina e banhando todas as áreas da saúde, veio a Psicoterapia Reencarnacionista. Uma nova visão, uma técnica sistematizada, uma abordagem exclusiva, uma nova escola surge para simplificar e reforçar a noção de saúde e doença que as medicinas antigas já vem trazendo desde então. 

Há pouco tempo atrás se chamava de Saúde a ausência de sintomas desagradáveis a nível físico, tais como dores, limitações, sensações, etc. Mais modernamente, ampliou-se essa definição para a também ausência de sintomas desagradáveis a nível psíquico, como ansiedade, raiva, tristeza, entre outros.

Para a Medicina oficial, apenas do corpo físico, o correto, o foco, é fazer desaparecerem, da maneira mais rápida possível, os sintomas e os sinais desagradáveis do corpo do paciente pelo uso de medicamentos químicos (como os cor-ticosteróides, os antibióticos, os antiinflamatórios, etc.), que apenas inibem os sintomas e os sinais de manifestarem-se, ou extirpando-se a parte afetada.

A ausência de sinais ou sintomas físicos ou psíquicos, ou a não percepção deles, não implica em Saúde, pelos critérios transpessoais. A visão do ser humano transcende a persona, aprofunda-se em seus aspectos espirituais e no grau de aproveitamento de sua encarnação, a partir dos objetivos evolucionistas.

A visão habitual de Saúde ou de doença extrapola, então, o corpo e o psiquismo, e os critérios abordados para o diagnóstico e prognóstico passam a ser as motivações existenciais, a compreensão da existência encarnada e das suas armadilhas. A avaliação é feita dentro de um critério personalidade terrena/Essência e o seu grau de oposição-conflito/cooperação-harmonia.

O maior enfoque desta abordagem é a alma eterna vivendo dentro de um corpo perecível, que ao chegar na Terra já traz consigo sua própria personalidade, uma bagagem de outras vidas totalmente personalizada. Infelizmente os hospitais hoje são apenas hospedeiros de doenças e doentes, onde buscam amenizar as dores das diversas patologias diagnosticadas pela Medicina pronto-socorro.

As pessoas hoje já estão buscando alternativas mais saudáveis, mudando sua alimentação e melhorando principalmente seus pensamentos e comportamentos. Tudo isso dentro de um conceito reformatório e promovendo uma reforma íntima, com mais sabedoria e conhecimento de si mesmo, sabendo lidar com as diferenças.

*Ricardo Faerman é psicoterapeuta reencarnacionista, especializado em regressão terapêutica e terapias com florais.

X